FELIZ ANO NOVO MEUS AMIGOS


quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

TEUS OLHOS


Dedico estes meus versos à minha filhóta com muito amor. Quanto aos olhos mudarem de cor é mesmo verdade. Beijócas coração.

Teus olhos amendoados
São a minha perdição
Deixam meus olhos molhados
De tanto amor, extasiados
E melam o meu coração

Quando estão ao pé do mar
Teus olhos mudam de cor
Têm um segredo guardado
Talvez num barco ancorado
Onde vais com o teu amor

Mas se te ris, eles são
Estrelas belas cintilantes
Até quando há um senão
Eles mudam de expressão
Ficam enormes distantes

Se há gargalhada á mistura
Ficam travessos, marotos
Deixam de lado a ternura
E mostram a diabrura
Como se fossem garotos

E nesse teu belo olhar
Que importa qual a cor
Serão verdes cor do mar
Brilhantes como o luar
E lindos como o amor.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

MUSEU CASA DOS PATUDOS EM ALPIARÇA.

Meus amigos, aqui está um museu digno de visitar e que eu adorei. Fica em Alpiarça em pleno Ribatejo. Vale a pena ver. Deixo aqui um video que nos mostra a quantidade de obras de arte expostas neste museu. Beijos


domingo, 22 de novembro de 2009

Á CHUVA





Cai a chuva na vidraça
Cai, desliza com pressa
Em cada nuvem que passa
Vai escorrendo com graça
Acaba e logo começa

Cai a chuva na vidraça
Vai caindo até mais não
E por fim a chuva passa
Bate o Sol na vidraça
E aquece o meu coração.

Ai a chuva, pobre dela
Que passa a vida a caír
Pode ficar com mazela
Ou partir uma costela
E depois não pode vir.

Coração tu estás triste
A verdade, quero saber
É a saudade que existe
Ou a chuva que persiste
E te faz entristecer.

Cai a chuva miudinha
Deixa meu rosto molhado
Negra aquela andorinha
Voltou à sua casinha
No beiral do meu telhado.

Ao cair assim brandinha
A chuva quando ela quer
Rega o pomar a hortinha
Refresca a cepa na vinha
E dá vida ao malmequer.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

TE ADORO





Hoje quero estar contigo
Ao de leve, ouvir tua voz
Seres meu porto d'abrigo
Juntinhos, estarmos sós

Quero ouvir-te murmurar
Teus segredos ao ouvido
Para enfim recuperar
O nosso tempo perdido

Fechar orgulho e com brio
Te abrir o meu coração
Sentir aquele arrepio
Quando me beijas a mão

Saber que após estes anos
Ainda te lembras de mim
Que não provocaste danos
Nem foste assim tão ruim

Que não ficaste sentido
Por eu não te visitar
Nem te sentiste perdido
Como barco a naufragar

Mas hoje é o nosso dia
E eu vou bem alto gritar
Quero a tua companhia
Te adoro querido MAR.

Nota- moro sensivelmente a 3km do mar e estive 7 anos sem o ver.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

EM DIA DE SÃO MARTINHO VAI À ADEGA E PROVA O VINHO.


Era esta a frase preferida do meu pai. Ribatejano convicto e dado ás tradições da terra, não passava um São Martinho sem ir à Golegã e provar o vinho. Carpinteiro de profissão a trabalhar na Golegã todo o ano, era nesta época do ano, que fazia de tudo ligado á profissão. Era dos poucos que sabia fazer carroças, charretes, as rodas das mesmas, todas em madeira, carros de mãos, etc...Tinha orgulho na profissão e na célebre escala 3,1416 matemática esta que era precisa para fazer os raios das carroças. Ultimamente já reformado este dia era sagrado para ele. Ia á Golegã à prova do vinho. No dia seguinte quando eu lhe dizia que sabia que ele tinha chegado a casa com um grãozinho na asa , só me dizia:- Informaram-te mal, eu só vinha um pouco perturbado!... E ria-se com aquele ar de maroto que eu tão bem conhecia. Então como dia de são Martinho aqui vai a minha homenagem ao Mira, ao São Martinho e a todos que gostem do bom vinho. Bem hajam

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

QUERO

Vida arisca e insolente
És feita de desenganos
No engodo faz-nos gente
P'ra nos tirar de repente
Aqueles que mais amamos

És cruel e vingativa
E zombas do verbo amar
Pregas-nos cada partida
Obrigas á despedida
Nem que acabe de chegar

Dás-nos sonhos, ilusões
Tens sempre algo á espera
Despertas nos corações
Reboliço de emoções
Saudades doce quimera

Meu coração sem guarida
É vela que não veleja
Estúpida, burra e ferida
Adjectivos que na vida
Me oferecem de bandeja

Quero sentir que viver
É felicidade e ternura
Que vida não é só perder
Chorar a dor e sofrer
E só sentir amargura

Quero dormir e acordar
Sem pesadelos medonhos
Quero rir, quero voar
As estrelas alcançar
E navegar nos meus sonhos.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

VENDAVAL

Vendaval que em meu peito
Sossega este meu sentir
Se dormes comigo no leito
Sabes que não há outro jeito
Tu tens mesmo que partir

Deixa est'alma sossegada
Neste jardim de emoções
Se já vivo atormentada
Não digas sequer mais nada
Nem me cries mais ilusões

Não toques tal melodia
Nem entres em desvario
Porque estar nesta agonia
Sinto em minha nostalgia
Águas revoltas de um rio

Pedaços de alma fechada
Vão ler, tua linda poesia
No pó desta minha estrada
Deixo marcas na alvorada
Á porta de um novo dia

Inebriante eu entrei
No teu cais de mar sem sal
Senti-me amada e amei
Contigo então naveguei
Nas ondas do meu vendaval.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

NA PRIMAVERA DA VIDA


Hoje, dia 27 de Outubro é uma data que me marcou pela negativa. Faz hoje 17 anos que,ao tocar o telefone, eu ouvi a maior dor que se pode ter na vida. A perda de um filho. Esta é pois uma homenagem a alguém que, foi ceifada na Primavera da vida, com apenas 19 anos. Para vós meus tios, Artur e Evangelina, pela perda da única flor do vosso jardim, aqui vai a minha modesta homenagem com todo o meu amor, com todo o meu carinho. Esteja a Carla onde estiver, ela sabe, que deixou cá, quem a adorava. Peço desculpa de só agora o fazer, mas não o consegui mais cedo e até hoje, ainda me pergunto, como é que se pode brincar, com algo de tão precioso como é a vida. Tomo a liberdade de oferecer este poema, a todos os jardins que perderam as suas flores. Jamais devia acontecer. Com todo o meu carinho. Bem hajam

NA PRIMAVERA DA VIDA

Na Primavera da vida
Te ceifaram linda flôr
Te anteciparam partida
Não viveste o teu amor

Eras rosa de jardim
Que nem sequer deu botão
Lirio, cravo ou jasmim
Quimera doce ilusão

No canteiro eras raínha
Uma flor sempre querida
Mas veio uma erva daninha
Só p'ra te roubar a vida

Foste vestida de branco
De rosa e todas as cores
Até te deram um manto
De lágrimas regado a flores

E na tua despedida
Deixaste um rio de dôr
Na Primavera da vida
Te ceifaram linda flor.

Laura

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

UM BEIJO DE LUAR

Fui vêr o mar á noitinha
Estava lindo a bocejar
Fui de pedrinha em pedrinha
Enrolei-me numa ondinha
Com medo de o acordar

Em sonhos eu naveguei
Num barco de luz e cor
Coisas lindas eu sonhei
Até que o mar era rei
De ondas feitas de amor

Sonhei que era sempre dia
Não havia noite escura
A morte não existia
Só felicidade e magia
E nem sinal de amargura

Que a droga e a maldade
O sofrimento a ambição
Não tinham sequer validade
Nesse mundo de felicidade
Onde havia coração

Acordei, que noite bela!
Era sonho, estava luar
Olho através da janela
Qual Princípe a Cinderela
A lua me veio beijar.

domingo, 18 de outubro de 2009

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

QUADRAS DE OUTRORA

DESILUSÃO

Sonhou a criança
Vir a ser mulher
Viveu na esperança
De um sonho qualquer

Viu que a vida fére
Ficou sem esperança
E hoje a mulher
Sonha ser criança.

TRISTE

Nos teus olhos há tristeza
Não consigo compreender
Se és triste por natureza
Ou se te te fazem sofrer

E essa tristeza medonha
E esse modo de falar
Não choras porque é vergonha
E é feio um homem chorar.

VIDA

Ó vida amarga e cruel
Onde pensas chegar assim
Porque a uns dás alegrias
A outros tristezas sem fim

Ó dôr, ciúme ó paixão
Ó amargura sentida
Diz-me depressa onde estão
As alegrias da vida.

Desilusão! triste! Vida!
Na boca ficou o sabor
São versos que á partida
Feitos outrora na vida
Ainda me causam dôr.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

QUADRAS SOLTAS

Um dia sem te vêr é dor
É uma eternidade
Mas se fossem dois amor
Eu morria de saudade.

No beijo da despedida
Que me deste com ansiedade
Teus doces lábios deixaram
O amargo da saudade.

Sentir saudade é dôr
E não há nada pior
Que é a saudade de amor
Não há saudade maior.

Ao olhares para as estrelas
Bem alto no firmamento
Pensa que estou a vê-las
Contigo no pensamento

E se fizeres um pedido
E essa estrela brilhar
Esse brilho terá sido
O brilho do meu olhar.

Diz o lírio com vaidade
Á rosa tão tagarela
Lá porque és da cidade
Não tens que ser a mais bela.

Seja em prosa ou em verso
Vejam bem a crueldade
De não se ser mentirosa
E ter faltado á verdade.

O vento vai embalar
As estrelas de mansinho
Não vá a lua acordar
Numa noite sem luar
E se perder no caminho.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A TI POESIA

Abri janelas ao vento
Fechei os olhos e vi
Que o sonho e o lamento
Só me falavam de ti

Perdi-me na alvorada
Aconcheguei-me na brisa
E mesmo no fim da estrada
Lá estavas, bela, concisa

Fechei o meu caderninho
Guardei-te noutro lugar
E até mudei o caminho
P'ra nunca mais te encontrar

Perdi-me num labirinto
De trevas e sofrimento
Já nem eu sei, o que sinto
Nem qual é o meu tormento

Quando recuperei a calma
Sem sonhos e com alegria
Reparei que a minha alma
Só me falava de ti-POESIA.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

ALMA RUDE


Alma rude vento agreste
Em constante desvario
Se beijaram n'um cipreste
Foram pousar a um navio

Bailaram no vento brando
Em ondas de calmaria
Serenamente esperando
Que chegasse o novo dia

E alta noite ao luar
Em sonhos de neve e cor
Ao som das ondas do mar
Fizeram juras de amor

Então veio a bela aurora
E o novo dia chegou
Alma rude veio embora
Pois o vento a abandonou

Não quer nem o vento suão
Faz zombaria ao cipreste
Deixou de ser alma rude
Passou a ser alma agreste.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

quinta-feira, 17 de setembro de 2009


TENHO SAUDADES DE TI PAI!...

Olá meus amigos/as ainda não tinha conseguido falar deste assunto. Faz hoje 5 meses que o meu pai partiu, e faz também 5 anos e 3 meses que o meu irmão também partiu. O meu irmão foi com 45 anos, era muito novo. É caso para dizer que está tudo a ir-se embora. Foi por todos estes motivos que os meus filhótes me abriram o blog. O meu muito obrigada a todos os amigos e amigas que me ajudaram, com todo o vosso carinho. Beijócas e bem hajam.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

MEUS FILHOS MINHA VIDA

Meus amigos/as aqui vai mais um poema o qual é dedicado aos meus filhos. São eles a razão do meu viver, o ar que respiro, a minha eterna paixão. É com todo o meu amor que lhes dedico este poema. Obrigada meus queridos por serem os filhos que são e estou orgulhosa por ser vossa mãe. Espero que gostem. Beijócas


MEUS FILHOS MINHA VIDA


Fui-sentar
À porta da minha vida
Não pude entrar
Pois já estava de saída

Quis recuar
Triste desorientada
Fui encontrar
Outra porta já fechada

Olhei em frente
Para vêr onde ir
E a minha mente
Se negava a prosseguir

E mesmo ao lado
Havia estreito caminho
Todo empedrado
Com estevas e espinhos

P'ró Céu olhei
E vi a luz a brilhar
Duas estrelas
Comigo queriam brincar

Sem hesitar
P'ra frente caminhei
Sempre a andar
As estrelas alcançei

E em meu coração
O amor assim venceu
Pois essas estrelas são
Os filhos que Deus me deu.

domingo, 13 de setembro de 2009


QUERO

QUERO

Quero fugir de mim não ser mais eu
Quero olhar-me ao espelho sem vêr nele reflectida, toda a dor e toda angustia de uma vida sem rumo
Quero vêr nascer o Sol no horizonte e vêr nele todo o amor e toda a esperança que não tive
Quero ler no vazio do meu sêr a dor que me vai na alma
Quero gritar bem alto aos quatro ventos a migalha que hoje sou
Quero amar perdidamente até agarrar toda a palavra e nas minhas mãos abertas esmagá-la contra o peito dos que não sabem amar
Quero ser ódio, amargura,tristeza, alegria
Quero ser morte
Quero ser vida
Quero ser mulher perdida
Quero ser tudo! tudo!
Só não quero ser quem sou.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

BOM FIM DE SEMANA MEUS AMIGOS

RecadosOnline - Por que não utilizar Recados de Fim desuper imagens e gifs Semana do site que vive em 1º lugar?


quinta-feira, 10 de setembro de 2009


PRIMAVERA

Olá amigas/os este é mais um poema, que eu fiz há já alguns anos. PRIMAVERA doce magia , quando ela irradia toda a beleza, é sem dúvida a mãe natureza. Espero que gostem. Beijócas


PRIMAVERA

Primavera é poesia
Que um poeta escreveu
Quando ao nascer d'um dia
Mais belo lhe pareceu

É como as ondas do mar
No seu constante vai-vem
É como um pedido p'ra dar
Alegria a quem não tem

Primavera do Sol a brilhar
Com seu brilho incandescente
do alegre chilrear
dos que cantam livremente

Primavera das flores
De estranha e rara beleza
Dos cantos e dos amores
Milagres da natureza

Nos campos tudo é verdura
Onde a beleza nos espera
Onde a beleza perdura
D'uma eterna Primavera.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009


SAUDADE

SAUDADE

Queria mandar a saudade
À procura de outro abrigo
E por castigo ou maldade
Ela anda sempre comigo

ralhei com ela e então
Isso não foi o pior
É que desde a discursão
Ela ainda ficou maior

Disse-lhe para partir
para não me torturar
Me disse logo a seguir
Que comigo quer ficar

Insultei-a mas enfim
Ela riu à gargalhada
Machuquei-a mesmo assim
Ela não ficou zangada

Vencida isso é verdade
Fiquei vencida e agora
Eu suplico á saudade
Que por favor se vá embora.

VIDA SEM RUMO

Vivo na vida sem rumo
Sem sequer ter esperança
Ilusões são como o fumo
Vivo na vida sem rumo
Desde que eu era criança

Dei tudo e saí vencida
Amor, ternura, carinho
E esta alma perdida
Vai vagueando na vida
Sem saber qual o caminho

O que é que ando á procura
O que quero nem eu sei
Sei que sinto esta amargura
De ter perdido a ternura
Ou será que a encontrei

Se a encontrei agora
É tarde p'rá receber
Pois viver p'la vida fora
Como até aqui nesta hora
Não é viver é morrer.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

AMOR SEM AMOR


Mais um poema dedicado à minha mãe. Os anos passaram e continuam a passar e eu continuo a perguntar. Porque não tive o direito de ter uma mãe como qualquer mortal? É...eu sei que nunca vou ter resposta. Também estou triste porque esta semana a minha amiga NINA canina partiu. Como estou a falar de amor aqui vai a minha homenagem á cadelinha mais linda. Para o JOÃO e para a BÁRBARA o meu apoio, coragem! Esteja ela onde estiver sabe que a adorávamos. Para terminar aqui vai o meu poema. Espero que gostem.


AMOR SEM AMOR

No meu jardim do encanto
Sonhei que eras uma flor
Estavas linda com teu manto
O orvalho era o teu pranto
O teu riso era de amor


No meu jardim do encanto
Eu fui teu o rosto beijar
Estavas fria e no entanto
Fiquei olhando o teu pranto
Que não mais ia parar


O meu jardim do encanto
Está triste e sem ninguém
A flor que chora sou eu
Pelo amor que era meu
O teu amor querida mãe.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

MAIS MIMINHOS


A amiga MIUIKA está a oferecer miminhos ás amigas seguidoras. Obrigada amiga

terça-feira, 1 de setembro de 2009


RecadosOnline - Veja mais gifs de Boa Semana no site top da web!
upload imagens

domingo, 30 de agosto de 2009

SEJAMOS COMO ELES CARINHOSOS MAS NUNCA SEREMOS TÃO PUROS COMO ELES

PENSAMENTO

Sejamos como o mar-Profundos
Sejamos como a lua-Brilhantes
Sejamos como amizade-Grandiosos
Sejamos como o vento-Brandos
Sejamos como água-Transparentes
Sejamos como amor-Amantes
Sejamos como doce- Melosos
Sejamos como calor-Quentes
Sejamos como estrelas-distantes
Sejamos conscientes Humanos

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

MAIS LINDA FLOR


Quando comecei a namorar fiz estes versos, para dedicar ao meu amado. O meu pseudónimo era JANET e quando lhos mostrei zombou de mim. Então eu disse que tinha sido uma amiga que os escreveu. Nunca disse que fui eu. É assim a vida... faz-me lembrar um livro que li. AS PALAVRAS QUE NUNCA TE DIREI. Beijócas


MAIS LINDA FLOR


Percorri o meu jardim
para ver qual era a flor
que ia apanhar no fim
Para dar ao meu amor

Olhei o amor perfeito
O lírio puro e singelo
Ficava-lhe bem no peito
Com o seu fato amarelo

Margarida linda flor
A rosa de tão rosada
Faz-me lembrar a cor
Da tua face corada

Cravos brancos matizados
Deixam o perfume no ar
São como os namorados
Juntinhos a sussurrar

Um raio de Sol parou
Na violeta a bailar
E essa luz me lembrou
O brilho do teu olhar

Então descobri por fim
De procurar com ardor
Não há flor no meu jardim
Mais linda que tu amor.

NOSTALGIA


Meus amigos/as mais um poema dedicado à minha mãe. Eu na altura devia ter os meus quinze anos(anos 60/70) altura que nada se explicava. Eu queria vêr a minha mãe e não via e nem me diziam o porquê e eu então costumava fechar os olhos para a imaginar. Mais tarde em 1992 acabei o poema, sempre ás escondidas claro, porque nunca tive o direito que qualquer filha tem. Beijócas


NOSTALGIA


De olhos fechados te vejo
Com eles abertos não
Sou mais forte que o desejo
Mais fraca que o coração


Coração que no passado
Qual flor aberta ao vento
Hoje se encontra fechado
Para qualquer sentimento


Mas os anos vão passando
Nostalgia em peito meu
E eu continuo perguntando
Se a errada sou sempre eu


E assim vivo sem desejo
Dentro da minha ilusão
De olhos fechados te vejo
Com eles abertos não.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

DESALENTO

Aqui vai um poema bem de acordo com a primeira imagem. Na verdade não somos mais que andorinhas ou gaivótas, só que elas têm algo que nós nunca teremos:-A liberdade . É para ti este poema mãe, foi para ti que o fiz, estejas onde estiveres, só aqui eu tenho a liberdade de te dizer:- Mãe adoro-te sempre te adorei.


DESALENTO


Tenho a minha alma mais triste
Que as pedras da minha calçada
Não sei como ela resiste
Pois desde que tu partiste
Vive sempre amargurada

Nela só há amargura
E acarreta sofrimento
É triste como noite escura
Nela a saudade perdura
Não a larga um momento

Fui ver o mar à tardinha
E quando o Sol se escondeu
Vi passar uma andorinha
Tão triste e tão sózinha
Com certeza alguém perdeu

Quando por fim acordei
E vi que era sonho meu
O mar com que eu sonhei
São as lágrimas que chorei
E essa andorinha sou eu.

A MÁSCARA


Olá a todos que me queiram visitar. Começo este blog ALMA RUDE para escrever alguns pensamentos, trocar algumas ideias e mostrar alguns poemas. A vida tem mil e uma caras, ou seremos nós que as temos? Mas de uma coisa tenho a certeza:-Antigamente o que nos ia na alma não era o que mostrávamos ao mundo. Só quando a máscara caía é que se sabia o porquê. Ainda bem que hoje há uma maior abertura, há diálogo, há confiança, enfim podemos conversar com os nossos filhos sem constrangimento. Saudações para todos